Rua Batuira, 400 - B. Assunção

São Bernardo do Campo/SP

Rua Machado Bittencourt, 86

Metrô Santa Cruz - São Paulo/SP

(11) 5573-3402
(11) 4344-2222
MATRIZ - SBC/SP
AMBULATÓRIO SP
(11) 95062-5600
WHATSAPP

Para informações diversas

Segunda à Sexta das 09h às 16h.

Please reload

Posts Recentes

Setembro Amarelo: Guia de prevenção ao suicídio.

September 2, 2019

1/7
Please reload

Posts Em Destaque

Quais são os EFEITOS DO ÁLCOOL? - Saiba + sobre Alcoolismo.

July 10, 2019

À longo prazo, o uso constante e desmoderado de álcool afeta todo o corpo, levando a danos neurológicos, problemas gastrointestinais, doenças cardíacas, distúrbios reprodutivos, câncer e morte. Além disso, os impactos psicológicos e sociais do álcool são prejudiciais para a saúde do indivíduo.

 

 

A maioria das pessoas gosta de beber álcool por causa de seus efeitos eufóricos. O álcool é absorvido rapidamente no corpo e, uma vez que entra na corrente sanguínea, rapidamente chega ao cérebro. Quanto tempo o álcool permanece no seu sistema depende de vários fatores, desde quando você comeu pela última vez até o seu sexo e peso.

 

À medida que o álcool se liga aos receptores GABA do cérebro, ele tem um efeito relaxante. Suas inibições diminuem e você fica mais falante e mais autoconfiante. O álcool também aumenta os níveis de serotonina no cérebro, o que contribui para a sensação de alegria que você recebe depois de tomar uma ou duas doses.

 

Como o álcool afeta diferentes partes do cérebro, outras mudanças ocorrem. O álcool deprime o córtex cerebral, a camada externa enrugada e dobrada do cérebro que controla a linguagem e o pensamento, nublando seu julgamento e pensamento. Você também pode ter dificuldade em ver ou ouvir coisas e tornar-se menos sensível à dor.

 

O sistema límbico, que regula as emoções, também fica descontrolado, resultando em emoções exageradas. Enquanto uma pessoa intoxicada pode se transformar em uma poça de lágrimas, outra pode flitter na barra dizendo a todos o quanto eles os amam. Outros podem se tornar agressivos ou combativos.

 

Junto com essas emoções extremas, uma pessoa intoxicada também pode ter

dificuldade em lembrar eventos. Isso porque o álcool impede que o hipocampo, uma

estrutura dentro do cérebro que controla o aprendizado e a memória, consolide as informações e armazene-as como uma memória. Quando isso acontece, você pode experimentar apagões induzidos pelo álcool, uma forma temporária de amnésia que o deixa incapaz de recordar conversas e atividades que ocorreram durante um episódio de bebedeira.

 

Como o álcool se move para o cerebelo, uma área do cérebro localizada perto do topo do tronco cerebral, seu movimento e equilíbrio são afetados. Você fica menos coordenado do que quando está sóbrio e pode até perder o equilíbrio e cair. Esses sinais clássicos de intoxicação são o foco dos testes de sobriedade de campo usados ​​para determinar, por exemplo, se um motorista está sob influência ao ser abordado em uma blitz.

 

Quando o álcool chega à glândula pituitária, uma glândula do tamanho de uma noz que fica na base do cérebro atrás da ponte do nariz, ela inibe a secreção de uma importante substância química chamada hormônio antidiurético (ADH).

 

Normalmente, o ADH regula a quantidade de água que os rins reabsorvem enquanto filtram as toxinas do sangue. Mas quando o álcool diminui o ADH, menos água é reabsorvida e você precisa fazer visitas freqüentes ao banheiro. Tudo o que urinar também pode deixá-lo desidratado, contribuindo para os sintomas da ressaca do dia seguinte, como dor de cabeça e boca seca.

Efeitos do Consumo Excessivo

 

Consumir grandes quantidades de álcool durante um curto período de tempo, ou beber em excesso, pode levar ao envenenamento por álcool. De acordo com o Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo (EUA), uma pessoa está bebendo compulsivamente quando seu teor de álcool no sangue (TAS) atinge 0,08%. Para a maioria dos adultos, isso equivale a beber cinco bebidas alcoólicas dentro de um período de duas horas, se você for homem ou quatro dentro de um período de duas horas, se for mulher.

 

Quando seu teor de álcool no sangue sobe para níveis muito altos, ele pode começar a afetar partes do tronco encefálico. A frequência cardíaca e diminui a temperatura do corpo. Nesse ponto, você pode ficar incrivelmente sonolento ou até perder a consciência. Seu reflexo de vômito pode cessar, deixando-o suscetível a engasgar e a respiração pode diminuir ou até parar de uma vez, levando a coma ou morte.

 

Embora a overdose por consumo excessivo de álcool seja uma emergência médica, não é o único perigo associado ao uso. Beber intensamente, a longo prazo pode causar estragos em praticamente todos os órgãos vitais do corpo e resultar em várias doenças e distúrbios.

 

Cérebro e Sistema Nervoso 

 

O abuso de álcool provoca mudanças a longo prazo na química do cérebro. Quando alguém bebe muito durante muito tempo, o cérebro começa a neutralizar os efeitos retardadores do álcool aumentando a atividade dos neurotransmissores excitatórios para que ele funcione normalmente.

 

Com o cérebro nesse estado intensificado, uma pessoa requer quantidades cada vez maiores de álcool para alcançar os efeitos desejados - um fenômeno conhecido como tolerância - e eles experimentam sintomas angustiantes de abstinência de álcool se de repente pararem de beber.

 

Essas mudanças, juntamente com os desejos de beber, acabam causando dependência.

 

A dependência crônica pode causar outros tipos de danos cerebrais. Consumo freqüente e excessivo de álcool danifica uma área na parte de trás do cérebro chamada cerebelo, resultando em má coordenação e equilíbrio, dificuldade para andar, tremores involuntários e movimentos oculares “indo e voltando” conhecidos como nistagmo. Algumas pessoas também desenvolvem neuropatia periférica, que é um dano ao sistema nervoso periférico que pode causar fraqueza muscular, dormência, formigamento e queimação em suas extremidades.

 

Este tipo de dano geralmente ocorre após 10 anos de consumo crônico e, em uma ressonância magnética, apresenta o encolhimento no cerebelo. Acredita-se que ela seja causada pelos efeitos tóxicos que o álcool tem sobre o cérebro, além de deficiências nutricionais - particularmente da Tiamina da vitamina B - que são comuns na dependência do álcool.

 

A deficiência de Tiamina relacionada ao álcool também pode danificar as partes inferiores do cérebro conhecidas como tálamo e hipotálamo, causando uma condição com risco de vida chamada síndrome de Wernicke-Korsakoff. A síndrome de Wernicke-Korsakoff pode causar perda de coordenação muscular, alterações visuais e perda profunda de memória, incluindo a incapacidade de formar novas memórias.

 

Beber grandes quantidades de álcool também pode aumentar o risco de um acidente vascular cerebral (AVC), contribuindo para a pressão alta, diabetes, obesidade e outras condições médicas que podem causar um derrame. O consumo crônico de álcool também tem sido associado ao desenvolvimento de epilepsia em algumas pessoas.

Coração

 

Quando o álcool está fluindo através do sangue, ele age como um vasodilatador, fazendo com que as paredes musculares dos vasos sanguíneos se relaxem e se alarguem. Isso provoca uma queda na pressão sanguínea e um aumento no fluxo sanguíneo para a pele e tecidos, o que resulta nas sensações de calor e no brilho rosado que muitos bebedores experimentam.

 

À medida que a pressão sanguínea diminui, a pulsação acelera à medida que o coração trabalha mais para garantir que os órgãos internos ainda estejam recebendo todo o sangue de que precisam para funcionar adequadamente.

 

Nos últimos anos, tem havido muita agitação sobre os potenciais benefícios para a saúde cardíaca do consumo moderado de álcool. Enquanto mais de 100 estudos ligaram o consumo moderado (até um drinque por dia para mulheres e dois para homens) a um risco reduzido de ataque cardíaco, morte súbita cardíaca, acidente vascular cerebral isquêmico e outras causas cardiovasculares de morte, segundo a Universidade de Harvard (EUA), o mesmo não é verdade para beber intensamente.

 

O consumo crônico e intenso contribuiu para a hipertensão arterial, doenças cardíacas, batimentos cardíacos irregulares e insuficiência cardíaca. Uma forma de o álcool contribuir para o desenvolvimento de doenças cardíacas é elevar o nível de certas gorduras no sangue chamadas triglicérides, o que contribui para a doença arterial coronariana.

 

Sistema Digestivo

Bebidas alcoólicas também afetam o sistema gastrointestinal. Na extremidade superior do trato gastrointestinal, o álcool pode causar azia e danificar o revestimento mucoso do esôfago, o que pode levar a uma condição pré-cancerosa conhecida como esôfago de Barrett e câncer de esôfago.

 

Consumo excessivo pode causar inflamação do revestimento do estômago chamada gastrite, que pode causar dor ou roer na parte superior do abdômen, bem como náuseas e vômitos.

 

Também altera as contrações musculares do intestino delgado e grosso, causando diarréia e até sangramento. O álcool diminui a absorção de uma variedade de nutrientes no intestino delgado que podem levar a deficiências nutricionais.

Beber em excesso é duro para os órgãos digestivos, incluindo o fígado e o pâncreas. Combinar álcool com outras substâncias pode aumentar a probabilidade de problemas nos órgãos. Por exemplo, a mistura de Mucinex e álcool pode causar danos no fígado.

 

O álcool é metabolizado pelo fígado e pode causar doença hepática gordurosa, que causa um acúmulo de gordura dentro das células do fígado, o que dificulta o bom funcionamento do fígado. Essa condição pode se desenvolver rapidamente em qualquer um que beba álcool, mas geralmente é reversível se você parar de beber.

 

Trinta e cinco por cento dos bebedores ​​desenvolvem hepatite alcoólica, que é uma inflamação e destruição das células do fígado e pode levar à cirrose. O tecido do órgão se torna fibrótico e é eventualmente substituído por tecido cicatricial. Esta forma grave de dano hepático pode ser fatal e se desenvolve em 10 a 20 por cento dos alcóolatras.

Também pode causar pancreatite, uma condição com risco de vida em que o pâncreas fica inflamado e enzimas digestivas começam a atacar e destruir o pâncreas. Os sintomas da pancreatite incluem dor abdominal superior que pode irradiar para as costas, que piora depois de comer, náuseas, vômitos, febre e frequência cardíaca elevada.

 

A pancreatite é uma emergência médica e geralmente requer hospitalização. A pancreatite crônica pode levar ao desenvolvimento de diabetes tipo 2 ao danificar as células que produzem insulina.

 

Sistema imunológico

 

O álcool amortece o sistema imunológico, o que diminui a capacidade do organismo de combater infecções. Isso é feito reduzindo o número de glóbulos brancos que circulam no sangue que combatem microorganismos nocivos, como bactérias e vírus. O álcool também inibe a produção de citocinas pelo organismo, que coordenam a resposta imunológica do organismo.

Esta resposta imune diminuída é a razão pela qual os alcoólatras são mais suscetíveis a infecções, como tuberculose, pneumonia e septicemia, e têm um aumento nas taxas de câncer.

 

Efeitos Psicológicos
 

As pessoas costumam beber para tentar sentir-se melhor, mas o álcool pode ter o efeito oposto.

 

Enquanto a primeira bebida ou duas que você consome podem fazê-lo se sentir mais relaxado ou feliz, à medida que você se torna mais intoxicado, essas sensações eufóricas freqüentemente dão lugar a sentimentos e emoções mais sombrias, como tristeza, raiva, agressividade e irritabilidade.

 

O uso crônico de álcool altera a química do cérebro e pode resultar em doença mental. Repetido, provoca ansiedade. As pessoas com ansiedade geralmente lidam com sentimentos de preocupação, nervosismo e desconforto com eventos ou situações futuras.

 

Além disso, o álcool e a depressão estão intimamente associados. De acordo com a Associação de Ansiedade e Depressão da América (EUA), cerca de 20% dos americanos com ansiedade ou transtorno do humor, como a depressão, são viciados em álcool ou outra droga.

 

O abuso de álcool também pode desencadear sinais e sintomas de psicose e comportamento anti-social, que podem se manifestar quando alguém está intoxicado e quando alguém está se retirando do álcool. Tais sintomas geralmente desaparecem, no entanto, após várias semanas de sobriedade.

 

Saúde Sexual e Reprodutiva

 

Embora a bebida possa diminuir as inibições e aumentar o desejo sexual, o consumo excessivo de álcool causa vários impactos adversos na saúde sexual. Publicado no Indian Journal of Psychiatry, um estudo com 100 homens dependentes de álcool na Índia descobriu que 72% sofriam de algum tipo de disfunção sexual, incluindo ejaculação precoce, baixo desejo sexual e disfunção erétil.

 

Qualquer um que esteja familiarizado com o efeito “óculos de cerveja” - a ideia de que estar intoxicado faz com que você veja os outros como mais atraentes do que faria normalmente - também entenderá como o uso de álcool pode tornar uma pessoa mais inclinada a comportamentos sexuais de risco, que levam a gravidez indesejada e adquirir doenças sexualmente transmissíveis, incluindo HIV e hepatite.

 

O álcool também reduz a fertilidade e é um fator que contribui para aborto espontâneo, natimorto e numerosos defeitos congênitos, incluindo a síndrome alcoólica fetal. As mulheres que bebem durante a gravidez têm um risco maior de dar à luz prematuramente e ter um bebê com baixo peso ao nascer.
 

Link para o câncer


Em 2012, o álcool foi atribuído como a causa de 5,5% de todos os novos casos de câncer e cerca de 5,8% das mortes por câncer em todo o mundo.

 

O álcool tem sido associado ao desenvolvimento de câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, câncer de fígado, câncer colorretal e câncer de mama em mulheres. Não é só beber muito que pode causar problemas. Um estudo publicado no Journal of Clinical Oncology em novembro de 2017 descobriu que mesmo a ingestão leve pode aumentar o risco de câncer de mama de uma mulher e elevar o risco de um tipo comum de câncer de esôfago.

 

As pessoas que fumam e bebem, enquanto isso, aumentam muito o risco de desenvolver certos tipos de câncer, como câncer de boca, garganta e esôfago, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (EUA).

 

Lesões e Violência

 

O uso abusivo de álcool está associado a um aumento do risco de violência e ferimentos, como homicídio, suicídio, agressão sexual, acidentes com veículos motorizados, quedas, afogamentos e queimaduras.

 

Cerca de 45% das 1,8 milhão de mortes relacionadas ao álcool que ocorrem em todo o mundo a cada ano, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), são causadas por lesões.

 

Impactos Sociais

 

Não é apenas o seu corpo que o álcool está prejudicando. Consumo excessivo de álcool também pode levar a uma série de problemas sociais, incluindo perda de produtividade no trabalho, desemprego e problemas familiares.

 

Os alcoólatras são mais propensos a se divorciar do que os não-alcoólatras. Os

filhos de alcoólatras, enquanto isso, podem sofrer muitos efeitos nocivos ao crescer em uma casa de alcoólatras e desenvolver problemas que geralmente os acompanham até a idade adulta

 

Fonte: https://www.drugrehab.com

Please reload

Siga